A boa e nova MPB

By  |  0 Comments

Que a MPB fez muito sucesso no Brasil, todo mundo sabe. Desde Chico, Caetano, Gilberto Gil e tantos outros nomes que carregam o peso da boa música consigo, aprendemos a gostar de apreciar um bom som. Mas nós também sabemos que o mundo muda, sempre, muito; e com isso, várias outras vertentes musicais vão surgindo pelo país.

Hoje eu vim falar sobre a nova MPB, que relembra a velha, mas possui características que partem muito mais do indie, do folk e até mesmo do glorioso rock, por que não?

Preparados para conhecer e se viciar em bandas que vão abraçar seu coração de uma só vez e nunca mais soltar? Preparei uma lista com 5 nomes obrigatórios na playlist. Vamos lá?

  • Rubel

Rubel Brisolla tem pouco mais de 24 anos, é carioca, e gravou seu primeiro álbum “Pearl” em Austin, no Texas. Com influências do folk e da MPB, possui ritmo suave, um tanto introspectivo até, mas muito cativante. Para mim, é poesia em forma de música.

 

  • Liniker

De saia, brincos e turbante, ele chegou e ficou. Voz única, mesma atitude. Liniker é do interior de São Paulo, tem 22 anos e é o vocalista da banda Liniker e os Caramelows. Já possui um EP gravado e também um álbum, o “Remonta”. Sua voz a lá Tim Maia inspira poder e autenticidade junto à suas influências que passeiam pela black music.

 

 

  • Jade Baraldo

Ainda em ascensão, Jade é ex participante do The Voice e, misteriosamente foi eliminada antes que pudesse mostrar todo seu potencial. Tanto que ela possui mais popularidade que o próprio vencedor da edição. Tem 19 anos, já possui um EP gravado e tem feito shows pelo país. Possui influências do Pop e uma voz forte.

 

 

  • O Terno

Na verdade, a crítica encaixa a banda no cenário do rock, mas eu ainda sinto uma bela influência da MPB em suas músicas. É referência brasileira do selo de música independente e, recentemente, passou a gravar músicas autorais. A banda fez sua primeira turnê internacional em 2017, passando por países como Espanha e Portugal.

 

 

  • Kell Smith

Eu sinceramente não sei até onde ela vai conseguir chegar, mas tenho certeza que ainda fará muito sucesso. Com sua música mais famosa, “Era uma vez”, Kell já me fez chorar umas 37 vezes. Possui influências do hip hop e do empoderamento feminino na música.

 

 

Tá permitido dar uma choradinha, porque a MPB às vezes faz isso com a gente, não é? Mas também tá permitido compartilhar as dicas com os amigos e montar aquela playlist bacana para ouvir no carro, em casa, em qualquer lugar. Porque música é boa em qualquer lugar, não é?

Logo menos venho com mais dicas musicais para vocês! 🙂

Tenho 24 anos, sou jornalista, mas bem poderia ser qualquer outra coisa, devido à minha necessidade de aprender. Escrevo, fotografo e sorrio. Acho que é assim que se vive, não é?