1º Seminário Mulheres do Agro discute os desafios do associativismo feminino, na Bahia Farm Show

Dezenas de mulheres que estão direto ou indiretamente envolvidas com o cenário do agronegócio se reuniram, nesta quinta-feira (30), no primeiro 1º Seminário Mulheres do Agro, com o tema “Mulher em Ação”. O evento foi aberto no auditório da Fundação Bahia, com a presença do presidente da Bahia Farm Show, Celestino Zanella. A programação uniu palestras sobre associativismo e o poder da ação para mudança de vida, com foco no público feminino.

“A Bahia Farm Show nasceu pequena, foi criando formas e ganhando espaço e trazendo inovação. Durante alguns anos, tivemos o chá das mulheres, que foi substituído por este seminário. Vejo, pela presença do público, que a mudança deu muito certo. Tenho certeza que nós continuaremos atuando para fazer a diferença na nossa região”, disse Zanella.

A coach Tudy Vieira trouxe dinâmicas e ensinamentos para orientar as participantes sobre a mudança de atitude, o autoconhecimento e ações para obter resultados e percorrer um caminho de sucesso. “Hoje eu faço um convite para que as mulheres reflitam um pouco sobre o que é o mais importante na vida, de onde estamos e onde queremos chegar. O segredo do sucesso está na ação, mas na ação de uma forma consistente”, enfatizou Tudy.

Participando ativamente das dinâmicas propostas, a gestora de recursos humanos, Maria Gabriela Zuttion aprovou as temáticas. “Muitas mulheres querem ter o seu papel reconhecido no agronegócio e muitas vezes não é, mulheres que participam não só em seus cargos de gestão dentro das empresas, mas também em casa. A mulher que dá o apoio ao homem que vai ao campo também é do Agro. Então, todas elas têm importante papel para que o agronegócio se desenvolva na região”, concluiu.

A produtora rural Ângela Francisca finalizou o ciclo do dia contando suas experiências de vida como cadeirante, estudante e incentivadora do desenvolvimento da cadeia do leite e das práticas associativistas, em Wanderley, oeste da Bahia, por meio da Associação dos Produtores de Leite e Culturas Irrigadas do Oeste da Bahia – Proleite. As mulheres também participaram do sorteio de presentes, brindes e ingressos para cursos e eventos voltados ao universo feminino.

Araticum 30/05/2019

 SERVIÇO:
Bahia Farm Show 2019

Data: 28 de maio a 01 de junho
Local: Complexo Bahia Farm Show: BA 020/242, km 535 – Luís Eduardo Magalhães – Bahia
www.bahiafarmshow.com.br

O universo feminino marcará presença na 15ª edição da Bahia Farm Show

1º Seminário Mulheres do Agro abordará assuntos relevantes à mulher do campo

Cada vez mais antenadas e inseridas no mundo dos negócios, as mulheres do campo também conquistam espaços e mostram sua força ao assumirem o comando de fazendas e escritórios. Para homenagear a força feminina, na edição que marca os seus 15 anos, a Bahia Farm Show abre um espaço para as mulheres do agro ampliarem seus talentos e capacidades. Na quinta-feira (30), a partir das 14h, no auditório da Fundação Bahia, 150 participantes estarão antenadas às palestras do 1º Seminário Mulheres do Agro com a abordagem de assuntos relevantes ao universo feminino e do campo. O evento integra a programação oficial da feira realizada de 28 de maio a 01 de junho, em Luís Eduardo Magalhães, oeste do Estado.

O evento, segundo a coordenação da feira, surgiu da necessidade cada vez maior de inserir a mulher no mundo do agronegócio. De acordo com o estudo “Mulheres no Agronegócio”, desenvolvido pelo Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), o número de mulheres que atuam neste segmento aumentou 8,3% entre 2004 e 2015. Em avaliação sobre jornada de trabalho e igualdade de oportunidades e salários, 67,9% estão satisfeitas, enquanto que 20,83% das mulheres do agronegócio estão insatisfeitas com seus empregos. Durante o seminário, duas palestras darão tom aos discussões.

Na primeira, com o tema “Mulheres em Ação”, a palestrante Tudy Vieira, administradora de empresas, especialista em Lideranças e Planejamento e Gestão Empresarial, além de Master Coach pela Sociedade Brasileira de Coaching, abordará as fases para alcançar o sucesso nos negócios, posicionamento no mercado profissional e o desenvolvimento do potencial humano. Logo depois, entra em cena a presidente da Associação do Produtores de Leite e Culturas Irrigadas do município de Wanderley, oeste da Bahia, Ângela Francisca. Ela tratará de questões relacionadas a união no campo, com o tema “Superação e Desafios no Associativismo”.

Para a coordenadora geral da Bahia Farm, a agricultora Rosi Cerrato que participa do Núcleo Feminino das Mulheres do Agro no Oeste da Bahia, o Seminário não é uma ação isolada, uma vez discussões sobre o dia a dia do público feminino nas fazendas e nos escritórios já fazem parte da pauta do Núcleo. Além disso, outro evento dedicado às mulheres já era realizado durante a feira. “O Chá das Mulheres” integrava nossa programação como momento de descontração, mas este ano optamos por um evento mais técnico, com foco nas demandas da mulher do agro. A ideia foi muito bem aceita, tanto é que as inscrições foram preenchidas rapidamente, o que comprova que ainda há uma lacuna que precisa ser ocupada, com informações aprofundadas e que ajudem a mulher ligada à agricultura a tomar decisões e organizar o seu negócio”, finaliza.

 

Araticum 21/05/2019

 SERVIÇO:

Bahia Farm Show 2019

Data: 28 de maio a 01 de junho

Local: Complexo Bahia Farm Show: BA 020/242, km 535 – Luís Eduardo Magalhães – Bahia

www.bahiafarmshow.com.br

Bahia Farm Show 2019 confirma grade de palestras e debates para o setor agrícola

Durante cinco dias, a feira agrícola disponibilizará um total de 35 atividades de conhecimento, distribuídas em três espaços

Além das máquinas e equipamentos agrícolas, que impressionam pelo tamanho e modernidade, a Bahia Farm Show 2019 também será marcada pela difusão de conhecimento e pelo debate de temas importantes para o desenvolvimento do setor agrícola. Durante cinco dias, entre 28 de maio e 1 de junho, o Complexo Bahia Farm Show vai abrigar uma programação diversificada e atual com 35 palestras e debates para atender a demanda e os anseios de agricultores, gerentes e técnicos de fazendas, pesquisadores, consultores, estudantes e profissionais envolvidos diretamente no agronegócio da área de abrangência do Matopiba (fronteira agrícola que compreende os estados do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia).

A programação da edição comemorativa de 15 anos começa oficialmente na quarta-feira (29) com o tradicional “Fórum do Canal Rural”, das 14h às 16, transmitido ao vivo, que vai debater o tema “Plantio Direto como Vetor da Agricultura Sustentável”. A Associação de Agricultores e Irrigantes da Bahia (Aiba), entidade organizadora da Bahia Farm Show, vai trazer, de forma inédita, em sua edição comemorativa o “1º Seminário Mulheres no Agro”, que será realizado na quinta-feira (30), às 14h, no auditório da Fundação Bahia, cujas vagas já foram preenchidas. Na sexta-feira (31), será a vez da palestra com uma personalidade e incentivador do setor agrícola brasileiro, o ex-ministro da agricultura e agrônomo graduado pela Esalq/USP, Roberto Rodrigues, que vai trazer toda a sua “expertise” para explanar sobre “O cooperativismo para o Desenvolvimento do Agronegócio”. Rodrigues também é embaixador especial da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO/ONU).

As atividades serão distribuídas em três espaços dentro do Complexo Bahia Farm, no auditório da Fundação Bahia, e em outros dois localizados no pavilhão coberto, com capacidade para 40 e 60 pessoas. No dia da abertura, na terça-feira (28), a feira agrícola sedia mais uma vez uma sessão da Assembleia Legislativa da Bahia (Alba), que vai permitir aproximar as demandas da agricultura, principalmente do Oeste da Bahia, junto aos deputados estaduais. O evento também recepciona o “Seminário Soja Plus”, organizado na quinta-feira (30) em parceria entre a Aiba e Abiove, que vai reforçar sobre a importância da classificação de grãos para o produtor rural; e a 6ª Semana de Agronomia da Universidade do Estado da Bahia (Uneb). Temas de interesse direto do agricultor como Funrural, Incidência de ICMS nas faturas de energia e Documento Legal dos Imóveis Rurais também entram na pauta da feira agrícola.

DCIM100MEDIADJI_0048.JPG

Para a coordenadora da Bahia Farm Show, Rosi Cerrato, a programação de palestras e debates se fortaleceu e cresceu ao longos dos 15 anos. “Hoje, é impossível pensar na feira sem estes espaços de discussão e interação, que também consolida a Bahia Farm como uma grande difusora de conhecimento para o setor agrícola. Muitos aproveitam este momento para estabelecer uma rede de contatos e o intercâmbio de informações para contribuir com o desenvolvimento do seu negócio no campo”, afirma.

Também se destacam na programação temas como “Precificação da Soja e do Algodão”, com a consultoria INTL FCStone; “Liderança e Propósito na Sucessão Familiar”, com o palestrante Marinho Hermes, da Dale Carnegie Treinamentos; e “Segurança no Campo” com o Coronel da Polícia Militar da Bahia, Paulo Uzêda. Para acesso aos auditórios e visitação à feira, é cobrado um ingresso no valor de R$ 15,00, sendo 20% revertida para o Hospital do Oeste, dentro do projeto “Ingresso Solidário”. A programação oficial de palestras e debates da Bahia Farm Show 2019 pode ser acessada diretamente no site: https://bahiafarmshow.com.br/grade-de-palestras/

Araticum 20/05/2019

 

 SERVIÇO:

Bahia Farm Show 2019

Data: 28 de maio a 01 de junho

Local: Complexo Bahia Farm Show: BA 020/242, km 535 – Luís Eduardo Magalhães – Bahia

www.bahiafarmshow.com.br

Governo do Estado garante presença na edição de 15 anos da Bahia Farm Show

O Governo do Estado confirmou, mais uma vez, a sua presença na Bahia Farm Show, que será realizada no final do mês, entre os dias 28 de maio e 1º de junho, em Luís Eduardo Magalhães, no Oeste da Bahia. A Secretaria de Agricultura (Seagri), Instituto de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Inema) e a Secretaria de Desenvolvimento Econômico (SDE) estarão presentes, por meio de estande institucional, na maior feira de tecnologia agrícola do Norte/Nordeste do Brasil. A confirmação aconteceu durante missão oficial da organização do evento, na última terça-feira (30), em Salvador, que contou com a presença do vice-presidente da Associação de Agricultores e Irrigantes da Bahia (Aiba), Odacil Ranzi, e da coordenadora da Bahia Farm, Rosi Cerrato.

Durante a visita ao vice-governador, João Leão, ele, que também é titular da SDE, anunciou o incentivo destinado pela pasta à Bahia Farm Show e garantiu que estará presente mais uma vez na abertura da feira, classificada por ele de ‘principal vitrine agrícola da Bahia’. “O governo do Estado sempre participou deste importante evento, com representantes de vários órgãos e autarquias, mas esta será a estreia da SDE na Bahia Farm Show. Como titular da pasta, fiz questão de termos uma representatividade em uma feira que alavanca a economia de uma região, contribuindo com o PIB do Estado. Isso é Desenvolvimento”, comentou. A secretaria terá um estande, onde será destacado o trabalho das indústrias.

Durante a feira agrícola, a Secretaria de Agricultura e o Inema também vão demonstrar os trabalhos desenvolvidos em parceria com os agricultores baianos, a exemplo do “Estudo do Potencial Hídrico do Oeste”, desenvolvido pela Universidade Federal de Viçosa e Universidade de Nebraska, visando mensurar a disponibilidade hídrica das águas superficiais e subterrâneas da região.

Quem também confirmou presença na Bahia Farm Show 2019 foi a Agência de Fomento do Estado da Bahia (Desenbahia), que está presente desde a primeira edição do evento. Com linhas de financiamento específicas para o agronegócio, a Desenbahia está preparando para a edição de 15 anos da Bahia Farm condições especiais de crédito para os produtores rurais, com ênfase em projetos de irrigação, armazenagem, máquinas, insumos, correção de solo, energia fotovoltaica e inovação. A perspectiva é que a agência baiana supere a cifra de R$ 400 milhões disponibilizados de crédito na última edição.

Para o vice-presidente da Aiba e da Bahia Farm Show, Odacil Ranzi, esta parceria do governo do Estado tem sido fundamental para garantir o crescimento gradual da feira nos últimos 15 anos. “As entidades dos agricultores baianos mantêm uma parceria sólida em projetos, visando o crescimento sustentável gerando riqueza e renda por meio da produção agrícola no campo. Essa presença das secretarias e dos representantes do governo do Estado, por meio dos estandes institucionais e também nos debates, eleva ainda mais a importância da Bahia Farm como uma das principais feiras do País, e reforça a união em torno do setor produtivo”.

Também durante a missão na capital baiana, os representantes da Aiba debateram junto aos técnicos da Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia (SEI) a possibilidade de assinatura de um protocolo de intenções durante a Bahia Farm Show entre os governadores da Bahia e do Tocantins para pôr fim ao imbróglio relacionado à demarcação dos limites territoriais entre os estados.  Na edição comemorativa dos 15 anos, a Bahia Farm também vai abrir espaço chamado de “Ilha da Segurança”, onde órgãos ligados ao governo do Estado – Polícia Militar, Civil, Corpo de Bombeiros, Graer – estarão presentes para demonstrar as tecnologias que vêm sendo empregadas para garantir a segurança pública em toda a Bahia.

Araticum 07/05/2019

 SERVIÇO:

Bahia Farm Show 2019

Data: 28 de maio a 01 de junho

Local: Complexo Bahia Farm Show: BA 020/242, km 535 – Luís Eduardo Magalhães – Bahia

www.bahiafarmshow.com.br

9º Cotton Tour Círculo Verde reúne consultores e produtores de algodão em um dia voltado ao conhecimento e a troca de experiências

Aconteceu nesta sexta-feira, 29 de junho, a 9ª edição do Cotton Tour realizado pela Círculo Verde Assessoria Agronômica e Pesquisa, um dia de campo totalmente dedicado à cultura do algodão. O evento aconteceu no Campo de Validação da Círculo Verde, na Fazenda Harmonia, em Luís Eduardo Magalhães, e reuniu produtores, consultores, pesquisadores, engenheiros agrônomos, técnicos agrícolas e representantes de empresas do agronegócio.

Esta safra de algodão no oeste baiano, segundo os dados levantados até o momento, também atingirá números recordes de produtividade e qualidade. O algodão baiano já é destaque mundial pela sua qualidade indiscutível, hoje considerado um dos melhores do mundo. A Bahia é o segundo maior estado produtor de algodão no País e o primeiro em termos de qualidade. Os níveis de excelência alcançados em características como finura, resistência, comprimento, uniformidade e maturidade do fio, entre outros, dão ao algodão baiano o título de melhor algodão do Brasil, estando muito acima do padrão exigido pelo mercado nacional e mundial.

Essa excelência só foi conquistada graças ao aperfeiçoamento e conhecimento dos produtores e suas equipes, além do trabalho sério e comprometido das instituições ligadas à cultura do algodão, como afirmou o produtor, consultor e sócio proprietário da Círculo Verde, Celito Breda: “A Círculo Verde participou de todo o processo de pioneirismo no algodão moderno e mecanizado desde 1995. A primeira colheita foi em 1996, então estamos com 22 anos de muita experiência, mas com muito a aprender. Hoje estamos extremamente satisfeitos com o resultado da safra baiana e com esse dia de campo”.

A programação do Cotton Tour abordou os resultados de pesquisas realizadas pela Círculo Verde, iniciando com os ensaios de ramulária do Algodoeiro, apresentado pela Gerente de Pesquisa, Dra. Mônica Martins e pela engenheira agrônoma Hannan Nunes, que abordaram a queda de eficiência dos fungicidas no controle desta doença e a importância da rotação de ativos de fungicidas e o uso de multissítios para retardar a resistência do fungo a esses produtos.

Na sequência, o consultor e engenheiro agrônomo Pedro Brugnera apresentou ao público o tema Adubação de Cobertura. “Segundo nossos estudos, vale a pena fazer o parcelamento de nitrogênio, pois os resultados dos testes foram positivos. Quanto ao perfil do solo, corrigir é o mais importante. Só assim a planta terá oportunidade de conseguir os nutrientes de que precisa”, afirmou Brugnera.

Logo após, o engenheiro agrônomo Genivaldo Batista falou sobre as perdas como atraso da colheita. Segundo ele, atrasos na colheita podem gerar perdas de 20 até 43 arrobas por hectare. Outro ponto importante levantado por Batista foi em relação às perdas de resistência da pluma e contaminação, observados nos atrasos da colheita do algodão.

Para finalizar a rodada de palestras, o professor Dr. Marco Tamai abordou o tema Ácaro Rajado no Algodoeiro, trazendo orientações precisas para os participantes identificarem e tomarem as medidas assertivas para controlar a praga na plantação. “O ácaro rajado é uma praga do sistema, estando presente tanto na cultura do algodão, quanto do milho, da soja e do feijão, o que gera preocupação quanto ao seu controle. Apesar de diferentes grupos químicos, alguns acaricidas já não têm controle tão efetivo desta praga em campo, o que pode indicar resistência e, portanto, a importância da rotação de ativos”.

O evento finalizou com a visita às variedades de algodão dos parceiros da Círculo Verde: Bayer, Damaceno Braga (DBB), Fundação Bahia/IBA, IMA, J&H Sementes e TMG. Para o consultor e classificador de algodão, Geraldo Pereira, a qualidade do algodão baiano é indiscutível e a área plantada da cultura deveria crescer no estado. “Se tem um lugar no Brasil feito para plantar algodão é a Bahia. O clima, o relevo e o comprometimento dos produtores são indiscutíveis. Além de quantidade e qualidade, o nosso algodão tem bastante brilho, resistência, comprimento. O que realmente precisamos é que as pessoas percebam e valorizem a alta qualidade do algodão baiano. Precisamos valorizar essa qualidade para que consigamos sempre ter um bom retorno para o produtor baiano, que pensa em produtividade, mas também em qualidade”.

 

ASCOM Círculo Verde

Agência Immagine

Associado Sicredi terá condições especiais durante Bahia Farm Show

A 14ª edição da Bahia Farm Show, maior feira de tecnologia agrícola da região Nordeste do Brasil começa nesta terça-feira, 05, em Luís Eduardo Magalhães e o Sicredi estará mais uma vez presente com condições especiais para seus associados. Com oito anos de atuação no Oeste da Bahia a cooperativa conta hoje com pouco mais de 3 mil associados na agência do município.

Para o período da feira que se estende até o próximo sábado, 09, o Sicredi terá à disposição do seu cooperado um estande de 300 m², com todos os serviços da instituição financeira além de condições especiais para os associados que visitarem a Bahia Farm Show.

A ideia, segundo Rodrigo Machado, Gerente da Agência do Sicredi em Luís Eduardo Magalhães é proporcionar satisfação e agilidade ao associado. “Além de oferecermos linhas de crédito com taxas diferenciadas do mercado, buscamos sempre o melhor relacionamento com o associado”, explica. Uma das condições especiais oferecidas pela cooperativa durante a Bahia Farm Show são as taxas a partir de 0,99% ao mês na compra de um veículo 0 km.

O Gerente avisa ainda que os visitantes que tiverem interesse em se tornar um associado ou conhecer como funciona o sistema de crédito do Sicredi terão, durante os cinco dias de Bahia Farm Show, uma equipe de profissionais qualificada para tirar todas dúvidas pertinentes à cooperativa.

Fundada no Rio Grande do Sul em 1902 atualmente o sistema de crédito Sicredi está presente em mais de 21 estados brasileiros e Distrito Federal. O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa, referência internacional pelo seu modelo de atuação em sistema. Ao todo são 116 cooperativas de crédito filiadas (entre elas a Sicredi União MS/TO com sede no município de Campo Grande/MS e que abrange os estados do Mato Grosso do Sul, Tocantins e Região Oeste da Bahia), que operam com uma rede de atendimento de mais de 1.587 agências. Seu principal objetivo é atender as demandas dos associados de modo a agregar renda às suas atividades e promover o desenvolvimento econômico e social dos associados e das comunidades onde atua.

De acordo com Celso Régis, presidente do Sicredi União MS/TO a cooperativa não podia deixar de participar desta que é uma das maiores feiras agrícolas do país. “O Sicredi tem uma forte atuação na região, ainda mais em se tratando das entidades do agronegócio, por isso buscamos oferecer um bom volume de recursos para atender os associados da região, principalmente, no que se refere a financiamentos em maquinários e equipamentos agrícolas”, pontua o presidente. A estimativa de crédito para o período da Bahia Farm Show é de R$ 70 milhões.

Expositores veteranos destacam a importância de estar na Bahia Farm Show

Muitas marcas cresceram com a própria feira, fazendo parte dela desde a primeira edição

“Melhor que fazer novos amigos, é conservar os antigos”. Essa máxima popular também se aplica ao mundo dos negócios. Prova disso é a Bahia Farm Show, cuja própria história se confunde com a história de muitos expositores que acreditaram no evento quando ainda era embrionário. Confirmada para ocorrer de 29 de maio a 02 de junho, o evento será palco de estreia para muitas empresas, porém as “veteranas”, aquelas que desde o início acompanharam a feira, serão destaque e estarão, mais uma vez, apostando na marca que é sinônimo de bons negócios.

É o caso do diretor-geral da Agrosul, revendedora da John Deere para o oeste da Bahia, Olmiro Flores, o Chico, como é conhecido entre amigos e clientes. Um dos maiores incentivadores para que a feira acontecesse, nunca mediu esforços para estar em todas as suas edições.  “Eu fazia parte da comissão organizadora do evento ainda mesmo antes de ter a marca Bahia Farm Show, houve um ano em que não conseguimos realizar porque a franquia ficou muito cara, acho que isso deu força para ser criada a marca hoje forte e com caráter exclusivo de feira de negócios. O que eu ainda sinto falta é da falta de participação dos agricultores da Chapada e da região de Guanambi, no sudoeste da Bahia. Eles precisam conhecer este evento, isso o tornará ainda mais forte. Eu vou continuar acreditando”, diz.

Nos seus 14 anos de existência, a Bahia Farm Show cresceu, se consolidou e conquistou o título de maior feira em volume de negócios do Norte/Nordeste do Brasil, e, hoje, ocupa lugar de destaque entre os grandes eventos do agronegócio nacional. Sua força, entretanto, começa a ultrapassar fronteiras. A internacionalização também já é uma realidade para a marca, o que só faz aumentar a confiança dos expositores, sejam novos ou antigos.

A empresária Ida Barcellos, responsável pela Bamagril Máquinas Agrícolas e Peças, também tem muita história para contar das edições passadas em que participou. “Tínhamos um propósito muito certo quando abraçamos a ideia; temos empresa na cidade (Luís Eduardo Magalhães), moramos na cidade, por que não participar?”, lembra, ao revelar as dúvidas quanto à aceitação da feira. “Todo início de qualquer evento tem a incerteza natural, mas a Bahia Farm Show se firmou e a credibilidade existe e é importante destacar a parte social inserida no evento, que traz renda para todos”, disse, reafirmando a participação da sua empresa enquanto houver o evento.

Assim como o Chico e a Ida, o diretor da Jaraguá Bahia, concessionaria New Holland, Fábio Martins, escreveu parte da história da Bahia Farm com as participações desde a primeira edição.  Hoje, destaca o patamar que o evento alcançou. “A gente vê uma consolidação da feira ao longo dos anos e cada vez mais ela se torna o palco de tecnologias e debates. E o que é melhor: está aqui, dentro do município em que o agricultor vive, ele participa e conhece o que há de mais novo sem sair de casa”. Martins até arrisca um palpite para a edição que se aproxima. “Este ano há uma expectativa muito boa, não apenas pela safra que promete ser excelente, mas em função do cenário econômico do Brasil que começa a apresentar uma melhora”.

Números – Se traçarmos um comparativo entre a primeira edição da Bahia Farm Show, em 2008, (considerando que em edições anteriores a este ano o evento utilizava outro nome por ser uma franquia), com a edição de 2017, percebe-se a grandiosidade que o feira alcançou. A área ocupada era de 200 hectares, hoje, são 144 mil hectares. O número de visitantes passou dos 26 mil para os atuais 75 mil, durante os cinco dias de evento. Em 2007 o volume de negócios fechados foi de R$ 250 milhões, já na edição 2017 atingiu a marca histórica de R$ 1,531 bilhão em intenções de negócios. Mas se depender do otimismo e da confiança que os fiéis expositores têm na marca Bahia Farm Show, este ano de 2018 é provável que novos recordes sejam batidos.

Fonte: Araticum 

Bahia Farm Show 2017
Data: 29 de maio a 02 de junho de 2017
Local: Complexo Bahia Farm Show: BA 020/242, km 535 – Luís Eduardo Magalhães – Bahia
www.bahiafarmshow.com.br

 

10º Dia de Campo da Círculo Verde levou informações técnicas para 400 participantes

O 10º Dia de Campo da Círculo Verde, ocorreu nesta sexta-feira, 09 de março, em Luís Eduardo Magalhães reunindo cerca de 400 pessoas, entre produtores, engenheiros agrônomos, técnicos agrícolas, representantes de empresas de insumos agrícolas e demais pessoas ligadas ao agronegócio soja e milho. Os participantes obtiveram informações sobre assuntos de grande relevância nesta safra em nossa região. As mulheres foram homenageadas e presenteadas com uma rosa, em comemoração ao Dia Internacional das Mulheres.

A primeira e mais esperada palestra da manhã, sobre Ferrugem x Resistência, foi ministrada pela engenheira agrônoma e reconhecida pesquisadora da Embrapa Soja, Drª Claudia Godoy. Na palestra, a Drª Cláudia comentou  sobre os triazóis, estrobilurinas e carboxamidas que é a base dos fungicidas para o controle da ferrugem e, o cuidado que se deve ter com o uso destes produtos em relação a resistência dos fungos aos mesmos, pois, a soja é o principal hospedeiro da ferrugem, que pode causar dano de 80% na produtividade. Além dos fungicidas, “o vazio sanitário é a principal estratégia de controle da ferrugem e, também, a mais eficaz. A rotação de culturas também é essencial para o combate. Essas estratégias de manejo não eliminam a ferrugem, pois ela tem muitos hospedeiros além da soja, mas, faz com que a ferrugem chegue mais tarde na lavoura, podendo causar menores prejuízos. Assim, é possível diminuir custos, aplicações de fungicidas e também a possibilidade de resistência dos fungos”, explicou Godoy. A pesquisadora comentou ainda que a região oeste da Bahia está de parabéns e serve de modelo para outras regiões do Brasil, pois orienta os produtores e disponibiliza informações sobre o manejo correto da ferrugem e cria pontos de diálogo sobre o assunto, como este Dia de Campo.

“Para nós é muito importante participar de eventos como este para entender e observar assuntos relativos aos problemas que enfrentamos na lavoura. A Drª Claudia Godoy trouxe também informações sobre a ferrugem no restante do país, fazendo com que possamos entender melhor o que dá certo e o que não tem resultados”, afirmaram os produtores Carlos Kogio e Janio Takasumi, da região de Roda Velha.

O evento contou com seis estações para que os grupos visitassem e dialogassem sobre temas, problemas e soluções comuns no dia a dia das lavouras, em especial da soja e milho.

Na primeira estação, o engenheiro agrônomo e consultor da Círculo Verde Marconde Ferraz falou sobre Capim amargoso, planta daninha que se adaptou muito bem a esta região, envolvendo um alto custo de controle e a perda de produtividade nas lavouras. Ferraz ressaltou a importância do manejo cultural, até mais do que o manejo químico. “Contra o capim amargoso é essencial fazer a limpeza das máquinas dentro e fora da fazenda, assim como das estradas, ter atenção na compra de sementes e realizar a capina destas plantas nos talhões”, afirmou. Nesta estação, o representante da DuPont, Cleiton Barbosa, apresentou um novo herbicida para controle do capim amargoso, o Verdict Max, que tem concentração superior a sua antiga versão (Verdict R), para facilitar na logística e armazenamento nas fazendas.

Na segunda estação, o Dr. Marco Antonio Tamai, professor da UNEB/Barreiras discorreu sobre os Ácaros na soja, que, segundo ele, é um problema emergente. O professor identificou e diferenciou os tipos de ácaros e explicou a alta taxa de crescimento dos mesmos em poucos dias, por isso a importância de monitorar a população das espécies desde o início da cultura. Além disso, Tamai comentou sobre pontos-chaves como, treinamento dos monitores na identificação, monitoramento da lavoura, rotação de acaricidas de diferentes modos de ação e “fechamento” da cultura no limpo, já que os ácaros podem passar de uma cultura à outra. Na mesma estação Leandro Yuan, representante da Bayer, apresentou resultados de trabalhos científicos para prevenir o desenvolvimento da resistência.

Na terceira estação, a gerente de pesquisa da Círculo Verde, Drª Mônica C. Martins, falou sobre o Mofo Branco, ressaltando a influência do clima nesta doença e a importância de diminuir o inóculo nas lavouras, já que a mesma é uma doença do sistema, tendo o algodão também como hospedeiro. Comentou que o manejo é um conjunto de medidas, sendo o químico apenas 1 dos itens e, nesse caso, mostrou os resultados de pesquisa com o uso de fungicidas obtidos na safra passada e os resultados parciais desta safra. Esses ensaios fazem parte dos “Ensaios Cooperativos” coordenados pela Embrapa e executados pela Círculo Verde na região oeste da Bahia. Além disso, ressaltou a importância de utilizar os intervalos de aplicação dos fungicidas, seja para qualquer doença, de acordo com a recomendação do fabricante. O representante da Basf, Benedito Lopes Ferraz Neto, apresentou o Spot SC, fungicida para o controle do mofo branco e resultados de pesquisa de outras regiões com este produto, alertando sobre seu posicionamento, dose e intervalo de aplicação. Ainda a nível de informação, Drª Mônica comentou que os resultados dos Ensaios Cooperativos estão em uma Circular Técnica, disponível gratuitamente para o produtor e demais interessados no site da Embrapa.

O tema da quarta estação foram os Nematoides, abordado pelo engenheiro agrônomo e consultor da Círculo Verde Celito Breda, que discorreu sobre técnicas para o manejo e prevenção, mostrando os resultados com o uso de produtos biológicos e químicos, plantas de cobertura na entressafra, cultivares tolerantes/resistentes ao longo de diversas safras obtidos no “Programa Estratégico de Manejo de Nematoides no Oeste da Bahia” coordenado pela Círculo Verde. Breda comentou que não existe um controle milagroso para o nematoide, mas, que boas práticas de manejo geram bons resultados. Alguns dos manejos utilizados na soja estão sendo testados na cultura do algodão, como abordou a engenheira agrônoma Aline Fabris. Nesta estação, Rodolfo Schiochet da FMC apresentou o produto Presence, um nematicida microbiológico utilizado no tratamento de sementes que possui múltiplos mecanismos de ação, agindo na raiz e criando uma barreira física e química, dificultando a orientação do nematoide e prejudicando o reconhecimento do hospedeiro.

Já na quinta estação a engenheira agrônoma da Círculo Verde Hannan Nunes abordou o uso de protetores (multissítios), expondo resultados de pesquisa com o uso destes produtos isolados e/ou em associação com outros fungicidas para o controle da ferrugem da soja. Emerson Cappellesso, representante da Syngenta, falou sobre o programa “Manejo Consciente”, vinculado a uma campanha nacional de uso correto de fungicidas na cultura de soja, abordando sobre o posicionamento correto do programa de fungicidas da Syngenta, que inclui os fungicidas Elatus e Cypress associados ao multissítios.

A sexta estação trouxe a apresentação do portfólio de 10 híbridos de milho e 56 cultivares de soja das empresas Agro Norte, Bayer, Brevant Sementes, FT Sementes, FBA/Embrapa, HO Sementes, J&H Sementes, Nidera, Oilema e Syngenta, que apresentaram as características dos materiais citando população de plantas, época de plantio, resistência/tolerância a doenças e nematoides, etc, além do posicionamento técnico destes para cada localidade.

Além das estações, o Laboratório “Alerta Ferrugem” representado pela Eng. Agrônoma Amanda Santana marcou presença, disponibilizando uma lupa e folhas com sintomas da ferrugem para que os participantes pudessem tirar suas dúvidas na identificação da doença. O laboratório é uma parceria da Círculo Verde, Sindicato dos Produtores Rurais de LEM e Adama, Basf, Bayer, Dupont, FMC, Ihara, Nufarm, Ouro Fino, Syngenta e UPL.

A John Deere esteve presente expondo tratores da sua linha e disponibilizando seus colaboradores para maiores informações.

A Círculo Verde agradece a todos os presentes, aos patrocinadores e apoiadores que colaboraram para o sucesso deste evento.

ASCOM Círculo Verde

Agência Immagine

10ª edição do Dia de Campo da Círculo Verde acontece nesta sexta-feira com a participação da Drª Claudia Godoy da Embrapa

A 10ª edição do Dia de Campo da Círculo Verde acontece nesta sexta-feira, dia 9 de março, com uma programação planejada especialmente para suprir a necessidade de conhecimento e atualização dos produtores rurais da região. Dando destaque para as culturas da soja e do milho, a principal palestra do evento será ministrada pela Drª Claudia Godoy, pesquisadora da Embrapa, que abordará sobre “Ferrugem x Resistência”, tema que tem despertado interesse em todos os agricultores. A ferrugem asiática da soja é atualmente uma das doenças mais importantes desta cultura, tanto no oeste baiano como em muitas outras áreas do país. Godoy é engenheira agrônoma e doutora em Fitopatologia pela Universidade de São Paulo (2000) e é uma reconhecida pesquisadora da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa Soja), onde atua na área de Fitopatologia com ênfase em epidemiologia e controle de doenças de soja.

O Dia de Campo da Círculo Verde recebe atenção especial por parte dos produtores, por ser um evento técnico, onde os mesmos podem obter informações importantes sobre as culturas abordadas e conhecer os resultados das pesquisas desenvolvidas pela Círculo Verde, as quais são realizadas desde 2005 em nossa região. As pesquisas focam na solução de problemas, mas, também são desenvolvidas para se antecipar aos mesmos. Essa pró-atividade resulta na geração e difusão de novas tecnologias agronômicas, seja através da pesquisa básica ou aplicada, resultando em confiabilidade nas recomendações técnicas.

O evento será realizado no Campo de Validação da Círculo Verde, localizado no Setor Industrial de LEM, e oferecerá aos participantes 6 estações com diversos temas, além da palestra principal: “Ferrugem x Resistência”. Confira a programação, que inicia às 07h30:

  • Estação 1: Capim Amargoso – Consultor Marconde Ferraz. O capim amargoso é uma planta daninha que vem aumentando nas lavouras da região sendo necessária a adoção de medidas de controle para evitar esse aumento e/ou retardar a possível resistência aos herbicidas. Como deve ser o manejo de controle?
  • Estação 2: Ácaros na Soja – Prof. Dr. Marco Tamai (UNEB). Os ácaros, considerados praga secundária até algumas safras atrás, é hoje considerada uma praga emergente na cultura da soja, merecendo atenção por parte dos produtores. O que esperar do monitoramento, dos inseticidas e da seletividade x desequilíbrio?
  • Estação 3: Mofo Branco – Drª Mônica C. Martins. Doença “esquecida” em algumas safras, hoje está presente em grande parte das lavouras do oeste baiano. Seu controle com fungicidas é estudado em nossa região desde 2003. Então, qual fungicida utilizar?
  • Estação 4: Nematoides – Consultor Celito Breda. Os nematoides estão presentes nas lavouras do oeste baiano podendo causar perdas “inesperadas” na produtividade de diversas culturas. Qual manejo adotar para evitar as perdas?
  • Estação 5: Uso de Protetores – Eng. Agr. Hannan Nunes. O uso de protetores associados a fungicidas sistêmicos no controle da ferrugem da soja tem sido difundido há pouco tempo entre os sojicultores. O que esperar com o uso desses produtos?
  • Estação 6: 56 cultivares de soja e 10 híbridos de milho – Consultores Pedro Brugnera, Vitor Pereira e Marcos Grieger A cada ano muitos cultivares de soja e híbridos de milho são lançados no mercado, podendo gerar dúvidas na hora de escolher quais usar nas lavouras. Quais materiais melhor se adaptam à minha realidade? 

 

Com o patrocínio da Basf, Bayer, Dupont, FMC e Syngenta, e apoio dos parceiros Agronorte, Agrosul John Deere, Brevant Sementes, FT Sementes, HO Sementes, J&H Sementes, Nidera Sementes e Oilema, o Dia de Campo da Círculo Verde é uma ótima oportunidade para se atualizar e estar por dentro de tudo o que vem acontecendo nas culturas da soja e milho na região. O acesso ao evento é gratuito e recebe principalmente produtores rurais, consultores, agrônomos, técnicos agrícolas e demais profissionais envolvidos com o agronegócio.

Dia de Campo Círculo Verde

Data: 9 de março de 2018
Horário: 07h30
Local: Campo de Validação Círculo Verde, BR 020/242, km 514 (sentido Tocantins) – LEM

A feira que impulsiona o Brasil está chegando

14 ª edição da Bahia Farm Show será realizada de 29 de maio a 02 de junho, em Luís Eduardo Magalhães

Consolidada como uma das maiores do Brasil em volume de negócios, a Bahia Farm Show traz, na edição de 2018 – de 29 de maio a 02 de junho -, o otimismo de uma região onde o agronegócio impulsiona e movimenta a economia. Realizada em Luís Eduardo Magalhães, no oeste da Bahia, a feira, segundo a Associação de Agricultores e Irrigantes da Bahia (Aiba), realizadora do evento, promete repetir o sucesso de 2017, quando atingiu a marca histórica de R$ 1,531 bilhão em intenções de negócios.

Há três meses do início da 14ª edição, a ocupação de áreas disponibilizadas é praticamente total. Os espaços oferecidos na área coberta estão 100% vendidos e a ocupação da área externa já atinge 85%. Serão mais de 200 expositores que estarão durante os cinco dias do evento representando mais de 900 marcas e produtos. A aposta deste ano é na internacionalização da feira iniciada em 2017, e já com a confirmação de expositores da Alemanha, Estados Unidos, Espanha e Argentina.

Ano passado o evento contou com 15% de novos expositores, nesta que se aproxima, estes números devem ser superados. “Ao continuar organizando a Feira para oferecer as melhores condições a expositores e público é natural que venham mais expositores tanto do Brasil quanto de outros países”, fala a coordenadora da Bahia Farm Show, Rosi Cerrato, que destaca que no ano passado houve um retorno de 10% de expositores que passaram por outras edições da Feira.

O público, estimado em 75 mil pessoas, além de conferir as novidades expostas, poderá participar de uma grade composta por eventos de transferência de conhecimento e debates, capazes de dar mais força às demandas e aumentar a produtividade de pequenos, médios e grandes produtores rurais. Palestras e mesas redondas direcionadas à agricultura empresarial e familiar, incluindo o Fórum do Canal Rural transmitido, ao vivo, em rede nacional fazem parte da programação reservada aos participantes.

A estimativa da organização é que a Bahia Farm Show promova a geração de mais de 3.000 empregos diretos e indiretos, antes e durante o período oficial, o que contribui para o aquecimento da economia regional. A participação de agentes financeiros públicos e privados também está garantida. Eles prometem desembarcar na Feira com um “cardápio” de opções em financiamentos e linhas de crédito específicas para o setor agropecuário, taxas de juros convidativas, além de condições elásticas e facilitadas de pagamento.

A Bahia Farm Show é realizada pela Associação de Agricultores e Irrigantes da Bahia (Aiba), com o apoio da Associação Baiana dos Produtores de Algodão (Abapa), Associação dos Revendedores de Máquinas e Equipamentos Agrícolas do Oeste da Bahia Ltda (Assomiba), Fundação Bahia e Prefeitura de Luís Eduardo Magalhães.