Prazer, Arquitetura Sustentável.

By  |  0 Comments

Manoela Ceron de Paula, prazer, mas pode me chamar de Manu.

Tenho 24 anos, sou natural de Santa Maria – RS, me mudei com minha família para Luís Eduardo em 2006, e no ano de 2011 fui para Uberaba – MG fazer graduação em Arquitetura na Universidade de Uberaba, onde me formei em 2015. Em 2016 ainda morando em Uberaba, iniciei os estudos de pós-graduação na área de Sustentabilidade em Belo Horizonte na UFMG, no qual termino esse final de ano.

Por isso eu digo que sou nômade, gostaria morar nas 5 regiões do país, para conhecer bem cada cultura. Mas visitar também vale, adoro viajar.

Faz um ano que voltei para Luís Eduardo para atuar na área, juntamente com a Arquiteta Ligiane Kuffel, do escritório HK Arquitetura e Interiores, de São Paulo e o meu escritório, M arquitetura, formamos a parceria HK+M buscando com nosso trabalho em conjunto somar forças e aprendizado para desenvolver projetos com excelência, atender com qualidade e trazer inovações para nossa cidade.

Ser arquiteto é pensar nas possibilidades, visualizar e resolver problemas, pensar em todas as dimensões, pensar todas as etapas juntas e em tudo que pode ser influenciado por cada decisão de projeto.

Bom a Arquitetura e seus caminhos são um mundo e com certeza é necessário amar para trabalhar com ela, mas eu acredito nela com um diferencial e que ela pode sim melhorar a vida das pessoas e da sociedade.

E pensando na sociedade resolvi trazer para vocês um projeto de um “novo modelo de sociedade” baseado no que a arquitetura pode fazer para melhora-la, trata-se de Ecobairro, chamado de BedZED é uma vila ecológica que busca desenvolvimento com zero emissão de energia, usando muitas técnicas de eficiência energética juntas com arquitetura para evitar emissão e proporcionar alta qualidade de vida.

  • Nome: BedZED – Beddington Zero Energy Development
  • Local: Sutton, sul de Londres, Reino Unido
  • Arquiteto: Bill Dunster
  • Data do Projeto: 2002 (habitado desde março de 2002)

 

BedZED tem 5 grandes áreas na qual foi pensado que podem caracteriza-lo como arquitetura sustentável:

TRANSPORTE, CONSTRUÇÃO, AQUECIMENTO E VENTILAÇÃO, ÁGUA E ENERGIA.

BedZED foi localizado perto de pontos de ônibus, trens urbanos e locais que facilitam a utilização de bicicleta. Além de ter um sistema chamado ZEDcars, que são veículos que ficam a disposição dos moradores, que eles utilizam e depois podem devolver, sendo que muitos dos carros são elétricos e alimentados pela geração energia renovável. Mas o principal ponto em relação ao transporte é que o bedZED não é somente de moradia, ele é composto por 82 habitações e 12 unidades mistas, que podem conter habitação e comércio, possibilitando algumas pessoas de trabalharem a distancia de uma caminhada de casa.

Toda sua construção foi pensada de forma sustentável, desde a produção dos materiais, transporte e serviços, foram escolhidos materiais de baixo impacto, que gerassem tanto resíduo, reciclados e reutilizados, sempre que possível e que fossem fabricados até 50km de distância da obra, para evitar a emissão pelo transporte.

Por estar situado em Londres necessita tanto de ventilação, quanto de aquecimento, para este foi projetado com fachada voltada para o lado com mais sol, no caso do hemisfério norte, o lado sul ele possui um varandas fechada com vidro, que torna-se uma verdadeira estufa armazenadora de calor e para os dias quentes, foi projetado com uma boa localização e tamanho de janelas para permitir a entrada e saída de ar. Além disso um dos seus principais elementos estéticos é um sistema de ventilação chamado cowl(capuz) que muda de posição de acordo com o vento, assim sempre puxando o ar fresco na direção que possui mais vento e liberando o ar quente da habitação na outra.

Os jardins verdes vieram em peso nesse projeto, além de evitar que a água que caí sobre o BedZED vá para outros lugares eles também servem para auxiliar a captação de água da chuva para o reservatório. Toda a parte de chuveiro, torneiras, vasos sanitários e maquinas de lavar são modelos de baixo consumo de água e após a utilização essa água para por tanques sépticos e uma unidade de tratamento do Ecobairro para ser utilizada nos jardins.


A principal meta do Ecobairro era a de que toda energia consumida deveria ser gerada nele mesmo, sendo assim foi utilizado duas técnicas de geração de energia, através da Biomassa e da Energia Solar por placas fotovoltaicas, juntas ela abastecem todo a edificação, os carros e ainda é possível alimentar outras edificações.

Espero trazer um pouco desse mundo para vocês, mostrar como a Arquitetura é um diferencial e como ela pode impactar na vida das pessoas e como eu sempre digo abra sua mente para a Arquitetura.

Agora estarei por aqui com vocês, quem quiser conhecer mais um pouquinho do trabalho segue no instagram @m.arqdesign e @heberlekuffelarquitetura e vamos transformar o mundo num lugar melhor.

Manoela Ceron de Paula, prazer, mas pode me chamar de Manu. Gaúcha, baiana e mineira, gosto de dizer que sou nômade. Arquiteta por formação e paixão, faço pós-graduação na área de sustentabilidade, por acreditar que a arquitetura pode mudar o mundo.