Entrevista exclusiva com a Banda Mamamute e programação pra este fim de semana!

By  |  0 Comments

A Banda Mamamute desembarcou ontem em Barreiras para programações variadas no oeste da Bahia este fim de semana! De São Paulo, a banda chega pela primeira vez à nossa região, apesar de um dos integrantes ser natural daqui.

Os meninos chegaram cheios de energia e super animados, contando que as primeiras impressões são muito boas, principalmente pela recepção calorosa que estão tendo!

Os integrantes da banda se conheceram no Conservatório e Faculdade de Música Souza Lima, em São Paulo, e já se deram super bem, não só musicalmente, mas também como amigos. Inclusive, contam que sempre quiseram ter uma banda de rock profissional, que realmente fizessem um trabalho de música que não fosse cover, nem um autoral displicente.

 

E quem é quem?

Felipe Muniz, paulista, é o vocalista da banda e conta que lhe inspiram pessoas que estão fora da música, como os poetas como Fernando Pessoa e Drummond de Andrade. São poetas que o inspiram para escrever as letras das músicas por abordarem tanto problemas existenciais e humanos quanto problemas sociais, pontos de vista muito importantes na hora de escrever.

Thiago Vilela, mineiro, baterista, fala da inspiração nas pessoas em geral, na vida, já que tudo o que se vive influencia a sua música, o que torna importante a fonte de inspiração nas pessoas e no dia-a-dia.

Caio Pamplona é natural de Barreiras, baixista e também se apoia no ponto de vista de ser inspirado pelas pessoas. Ele conta que admira quem está aberto a entrar em contato com os mais diferentes tipos de personalidade, pessoas cheias de empatia, abertas às mudanças, ao diálogo, à experiência da vida, que é diferente para todo mundo, ao mesmo tempo em que é igual no sentido do tempo que nós temos aqui na terra.

Ronaldo Aguiar, natural de Santos, guitarrista da banda, cita como sua inspiração no momento Miles Davis, um músico do jazz norte-americano, que lhe inspira desde sua postura artística até suas posturas como ser humano. Essa inspiração, artisticamente, se deve a ele nunca ter tido medo de experimentar, o que o levou a ser alguém tão inovador a ponto de revolucionar a música na sua época.

 

O álbum: Cinza Concreto.

Cinza Concreto é o novo álbum da banda! Dia 26 é o show de lançamento oficial, com entrada gratuita na Unibes Cultural da Oscar Freire em São Paulo. E já no dia 25, sai o disco completo nas redes sociais para quem quer conferir!

Sobre o nome deste trabalho, o quarteto nos explicou de onde veio…

Considerando que moram em São Paulo há um tempo, nele vem o sentido urbano, sentido do transporte, do trabalho, da correria, muitas vezes como uma máquina. No fundo é tudo sobre o tempo, não só no sentido de aproveitar a vida, mas da perda do tempo em função do foco na produção material.

Ronaldo fala também do disco como representação do momento musical e ideológico que eles passaram internamente, para externalizar em forma de música.

Mas, o principal para eles é a relação de troca: não tem algo específico do que querem passar para as pessoas, já que isso presumiria alguma posição de superioridade. Para os meninos, cada um pode ter a sua visão particular de uma coisa, só esperam que as pessoas se identifiquem com a música que criam para a Mamamute.

 

E a música favorita?

Felipe Muniz conta que as músicas que eles criam são como filhos, então eles amam todas as que fizeram. Entretanto, ressaltam a adoração pela faixa que abre o álbum Cinza Concreto e que foi lançada esta sexta-feira, dia 11, “Me deixa”. Felipe gosta muito da agressividade dessa música, com uma letra que fala dos problemas do ego, algo que todos se deparam:

A banda também lançou um clipe pela Universal Music, no YouTube pela Vevo:

Para eles, foi super importante essa experiência, especialmente no começo da carreira, para terem uma visão melhor de como é trabalhar com uma grande gravadora, uma grande marca, entendendo seus prós e contras.

Hoje, a banda está com contrato com outra empresa, uma distribuidora britânica, que trabalha mais próxima aos artistas independentes, com um trato mais pessoal e bandas mais parecidas ao estilo da Mamamute.

 

E o futuro?

O quarteto conta que almeja busca fazer mais discos e mais turnês, com um futuro de muitos shows e oportunidades!

Para o oeste da Bahia, o recado que deixam é: “esperamos que vocês colem no evento e curtam o nosso trabalho!”.

Em Barreiras, a programação é a seguinte:

  • Dia 17, quinta, às 20h no SESC Barreiras;
  • Dia 18, sexta, às 20h na Flib – Feira do Livro.

E em Luís Eduardo Magalhães, o show será no Pub Chá das Cinco no sábado, dia 19, às 22h. Você já se programou?

Vamos!

Uma agência incomum de comunicação integrada.