Cingapura

By  |  0 Comments

Neste post  falarei sobre a Cingapura! Quando eu viajei para a Indonésia, não estava nos meus planos  visitar a Cingapura. Eu somente tinha agendado de visitar a Malásia, pelo simples motivo que o visto de turista na Indonésia é de ao máximo 60 dias, e eu ia ficar mais do que dois meses. Então depois destes 60 dias eu ia dar um pulo na Malásia para na volta conseguir um novo visto de turista na Indonésia.

Porém, quando eu troquei de projeto depois de um mês e me mudei de cidade, eu tive um contato não tão agradável com o departamento de imigração da nova região onde fui morar. Descobri que corrupção também existe na Indonésia, e que a burocracia talvez ainda é mais chata de que no Brasil. Este meu encontro com a imigração de Pemalang tinha a consequência que fui deportada, e assim fui obrigada a viajar –mais cedo do que planejado- para um outro país, para depois poder voltar na Indonésia e pegar um novo visto. Naquele momento a passagem para a Cingapura foi a mais barata, e assim acabei indo um fim de semana para lá.

A República de Cingapura é o menor país da Ásia sudoeste e o 20° menor país do mundo, com um tamanho de 716km² (a metade da área de São Paulo Capital). Na verdade, a classificação correta de Cingapura não é país mas “cidade-estado”, ou seja, uma cidade com todos os poderes de um país. Tem quase 6 milhões de habitantes, que principalmente são de três origens: 77% são chineses, 14% são da Malásia e 8% são da India. Assim, nos lugares públicos tudo está escrito em 4 línguas: Chinês (Mandarin), Bahasa Malaysia, Tamil e Inglês.

A Cingapura não estava na minha lista de destinos a visitar porque na minha cabeça era um lugar muito caro: do que eu lembrava era uma das cidades mais caras do mundo. Então, quando fiquei sabendo que eu ia viajar para lá, uma das primeiras coisas que joguei no Google foi: “budget traveling in Singapore” (“viajar com pouco dinheiro em Cingapura”). E fiquei surpresa em ver que tem muita opção para fazer a viagem de um jeito mais barato.

Inclusive enquanto eu estava escrevendo este post, saiu um artigo no BBC que tratou exatamente sobre isto: porque a Cingapura aparece já há 4 anos no index “Custo de viver” como a cidade mais cara, se na verdade dá para viver barato lá? No artigo explica que este index faz o cálculo levando em conta os custos de expats (os estrangeiros morando lá por causa do trabalho) que já tem um custo de vida mais alto, já que frequentem hotéis e restaurantes bons. E as coisas que geralmente são mais caras, ficam muito caras em Cingapura. Porém, é perfeitamente possível de visitar o país sem ter que ficar num hotel caro (existem hostels bons), ir em restaurante (tem alternativos para comer mais barato) e precisar de pegar um táxi (o transporte público é ótimo).

Já que só fiquei sabendo na quarta-feira que eu ia ter que ir naquela sexta-feira para Cingapura, a minha viagem não foi muito bem preparada. Também acabei só passando um dia lá, cheguei numa sexta à noite e no domingo meio dia já tinha que pegar o meu voo de volta. Mas deu para visitar uns dos pontos mais famosos naquele sábado:

 Merlion Park com vista para Marina Bay Sands, ArtScience Museum e Singapore Flyer

Comecei o meu dia bem cedo para pegar a vista do sol nascendo a partir do parque mais famoso do centro da Cingapura: o Merlion Park (na verdade não é um parque no sentido de ter grama e árvores, é mais uma praça). O “Merlion” é um dos ícones do país, uma estátua de uma figura mitológica com a cabeça de um leão e o corpo de um peixe. Quando cheguei no parque, a única estátua que vi foi esta:

Ok, é uma estátua da mistura de um leão com peixe, mas eu tinha muita certeza que nas fotos da Cingapura eu vi uma estátua maior do lado de um lago bem grande, não uma piscininha deste tamanho. Tirei a foto me sentindo um pouco ridícula, mas pensando bem, se eu não estou vendo nada maior, quem sabe que é esta aqui mesmo.

Aí foi só um pouco depois quando li por acaso uma placa que estava do meu lado que eu entendi. A placa dizia: “Desculpe-me enquanto estou tomando um banho”, e estava anexada à embalagem em volta do Merlion original.

 

A partir do Merlion Park, você consegue ver os outros ícones do país:

 

Ao lado direito tem o hotel cinco estrelas chamado Marina Bay Sands. Na frente fica um museu de arte e ciência com uma arquitetura bem diferente. Para o lado esquerdo tem a roda gigante chamada Singapore Flyer, que, com uma altura de 165m, foi a maior roda gigante até 2014.

Toda noite, às 20hs e às 21.30hs, a Marina Bay Sands tem um show de luzes (gratuito), que dá para ver perfeitamente do Merlion Park.

Gardens by the Bay

Este lugar com certeza foi o meu lugar favorito. Dava vontade de ir morar na Cingapura só para ir passeando neste parque todo dia. Fica ao outro lado de hotel Marina Bay Sands, com esta vista bonita:

 

O ponto mais chamativo do Gardens by the Bay são os Supertrees (“Superárvores”): construções de metal que representam árvores. Eles têm alturas entre os 25m e 50m, tem painéis solares para ser autossuficiente na questão de iluminação e também tem um sistema para guardar a água de chuva e poder reutilizar num sistema de irrigação. Veja o tanto que este lugar é impressionante:

 

 

À noite tem um show de luzes nestes árvores, chamado Gardens Rhapsody Light Show. Tem o show todas as noites às 19.45hs e às 20.45hs, e o acesso é gratuito. Com certeza recomendo! Eu fui na apresentação das 20.45hs para depois ir direto para o Merlion Park para assistir o show de luzes da Marina Bay Sands.

 

East Coast Park

Não vou dizer que o parque East Coast Park é um dos lugares mais turísticos, mas é um lugar muito gostoso para passear um pouco. O parque tem um comprimento de 15km seguindo a costa e tem uma pista de ciclismo, lugares para fazer churrasco, algumas praias pequeninhas,… É um lugar onde principalmente encontrará as pessoas locais no tempo lazer deles.

 

Estes 3 lugares foram os lugares onde passei o mais tempo, mas tem muito mais coisa ainda. Quando está no Merlion Park, já está do lado do centro onde fica o parlamento, a justiça, museus, shoppings etc. É um bairro bem legal para dar uma caminhada, já que tem muito prédio bonito. De lá dá para pegar o transporte público para Harbour Front, de onde sai um trem para a ilha Sentosa Island, um lugar bem turístico, principalmente conhecido pelo parque Universal Studios e as praias tropicais (que não são naturais, foram construídas com areia importada da Indonésia). Quase fui lá mas começou a nublar bem na hora que eu ia pegar o trem, então não fazia muito sentido ir numa praia sem sol. Tem também os jardins botânicos e vários outros parques, e até o aeroporto mesmo da Cingapura é legal para visitar!

Algumas dicas para quando estiver preparando a sua viagem:

Singapore Tourist Pass

O Singapore Tourist Pass é um cartão para pegar o transporte público tantas vezes que quiser. Existem cartões para somente um dia (~ R$ 22,0), para dois dias (~ R$ 36,0) ou para três dias (~ R$ 44,0). Na hora de comprar o cartão você tem que pagar o valor de 10 Dolares de Cingapura (~R$ 22,0) a mais, que você recebe de volta na hora de entregar o cartão no final da sua viagem. Tem como comprar o cartão no aeroporto ou em algumas estações de metrô. O cartão não é válido para 24hs mas somente até o final daquele dia que você o começou a usar. Então se chegar à noite em Cingapura, é melhor comprar um bilhete único, para o dia depois iniciar este cartão. Já que com certeza precisará do transporte público, vale muito a pena comprar este cartão!

Se prepare para caminhar muito

Eu cheguei lá com uma noção totalmente errada de distâncias: no mapa dá para ver claramente que tem a estrutura de uma cidade só, em vez de ser um país com várias cidades. Lembrando que era um país muito pequeno, eu olhava aquele mapa e jurava que tudo era pertinho de um e outro. Mas sim, é um país pequeno, mas quando aquele país pequeno é uma cidade só, quer dizer que a cidade é grande. Foi algo que meus pés acabaram descobrindo… Mesmo que peguei muitas vezes o metrô, eu andei muito! Até dentro da estação de metrô parece que já tem que andar duas quadras para sair de lá.

Hawker Centers

No começo do post mencionei que a sua estadia na Cingapura não precisa ser muito caro. Um aspecto muito importante para conseguir deixar sua visita mais barata são os Hawker Centers. Um Hawker dá para comparar com a praça de alimentação num shopping: é um lugar cheio de mesas e em volta várias lojinhas vendendo a comida delas. A comida é estilo “street food”, a comida típica que daria para comprar de vendedores ambulantes na rua. Geralmente na Ásia é meio arriscado de comer comida da rua, porém, estes Hawkers tem fiscalizações higiênicas e é bem tranquilo de comer lá. E os preços são ótimos, por volta dos 10 reais para um prato.

Leve em mente as regras

Cingapura foi declarado o segundo país mais seguro do mundo (depois da Suíça). Eu não sabia desta informação quando eu estava lá, mas dava para ver que era um país com muitas regras e muita vigilância, o que dava uma sensação de segurança. A vigilância não foi nem no sentido de ver muito policial na rua, mas foi na forma de placas deste jeito:

 

Como turista também tem que tomar cuidado com as regras que são diferentes, já que o governo da Cingapura aparentemente adora multa. Por exemplo, é proibido  tomar ou comer algo dentro do transporte público. Inclusive é proibido  entrar no transporte público com uma certa fruta de lá, chamada ‘durian’ (parece uma jaca pequena), já que a fruta tem um cheiro forte. Também pode levar multa se der comida aos pombos na rua. A Cingapura até tem uma lei que proíbe a venda e importação de chiclete. Só não tem lei que proíbe o consumo dele, vai entender. Mas se você estiver viajando com alguns pacotinhos de chiclete na bagagem de mão, é possível  ter que responder algumas perguntas no aeroporto. Se cruzar a rua sem ser na faixa de pedestre enquanto tem uma faixa perto (ao máximo 50m de distância), também pode levar multa.

Na minha opinião a Cingapura é uma cidade muito agradável, muito limpa. Tem um transporte público muito bom e tudo é bem explicado e fácil para achar. Com certeza me pareceu um lugar muito agradável para morar. Quando é para fins turísticos, creio que nuns 2 à 3 dias já são suficientes para ver todos os pontos mais bacanas e que depois já dá para seguir o caminho a outros lugares na Ásia.

O meu próximo post tratará sobre uma outra capital na Ásia, que fica até “pertinho” da Cingapura (leia: 9 horas de trem): Kuala Lumpur, capital da Malásia. Até!

Sou a Veerle, belga de nacionalidade, mas um pouquinho brasileira de coração, tanto por interesse profissional (sou graduada em Negócios Internacionais) como por lazer. Tento viajar o máximo possível e sempre conhecer novas culturas e novos lugares. Além de viajar, gosto de música, ler e yoga.