Bruxelas

By  |  0 Comments

“C’était au temps où Bruxelles chantait

C’était au temps où Bruxelles bruxellait”

 

Nos anos 60 o cantor belga Jacques Brel escreveu uma música sobre a Bruxelas  de antes da guerra, descrevendo uma cidade viva e divertida. Para mim, a música não precisava dos verbos no tempo passado: a Bruxelas É uma cidade divertida, bonita, cultural, e com algo de bom para todo mundo.
Os turistas, que geralmente ficam somente um ou dois dias e só visitam uma pequena parte da cidade, encontram um centro cheio de ruazinhas com lojinhas de chocolate e lembrancinhas, vendedores de wafels quente e batata frita e uma arquitetura lindíssima. Em várias  ruas no centro os carros são proibidos, e assim é uma caminhada agradável da praça central (‘Grand Place’) -o orgulho da cidade e impossível de tirar uma foto sem ter grupos de turistas aparecendo atrás de você- passeando pelos prédios magníficos de ‘la Bourse’ (‘a Bolsa’) e de ‘la Monnaie’ (‘a Moeda’)’ e indo visitar nosso ‘Manneke Pis’, a estátua mais famosa da Bélgica de um menininho fazendo xixi.

 

Lojinhas no centro

 

 

 

A prefeitura na Grand Place de Bruxelas


Quem está no centro, não esqueça de visitar o ‘Mont des Arts‘ (‘Morro das Artes’), um parquinho do lado da estação central com uma vista bem bonita.


O ‘Mont des Arts’, um lugar de tranquilidade e vista bonita no centro

Continuando nesta subida do Monts des Arts chega na Praça Royal (‘Place Royal’), de onde o caminho tradicional vai para a esquerda para o palácio do rei. Porém, ao direito dá para ver no final da avenida um outro prédio antigo, o palácio da justiça. O prédio mesmo não está tão bonito por já estar anos em andaimes, porém, lá é um outro ponto na cidade onde tem uma vista para a cidade inteiro (Place Poelaert). A diferença de altitude lá é tão grande que tem um elevador para descer para o bairro abaixo, chamado ‘Sablon‘ e conhecido pelas ruazinhas com lojas de antiguidades, perto do centro também.

Num dia de céu aberto até dá para ver o Atomium de lá, uma ampliação de 165 bilhões vezes do elemento químico de Ferro e mais um dos orgulhos da cidade.

Por de sol do Place Poelaert

 

O Atomium


Estes lugares são os pontos mais visitados pelas turistas, porém, a Bruxelas é muito mais do que só este centro e o Atomium. Inclusive, o distrito Bruxelas na verdade é um conjunto de 19 municipios. Cada município tem as próprias características ( leis e burocracia), e junto com a multiculturalidade tão típica de Bruxelas, por isso que muitas  pessoas não sabem realmente definir Bruxelas.

Tem o bairro ‘europeu’, onde todos os prédios da União Europeia estão localizadas. Aqui é bem calmo durante o fim de semana, quando todos os funcionários voltam para casa. Já que eles voltam para casa na sexta feira, a noite mais agitada neste bairro é na quinta feira: toda semana a praça de Luxemburgo, pelos locais chamado de ‘Place de Lux’, fica bem agitada, com os bares e restaurantes cheios de funcionários já contando as horas da semana de trabalho acabar.

(Inclusive é algo bem típico na Bélgica, de sair na quinta feira. Isso remonta ao tempo da faculdade, quando os estudantes saíam na quinta feira, aproveitando que só tinham mais um dia de aula e que na sexta-feira à noite  voltariam para a casa dos pais para o fim de semana).

O bairro europeu fica perto do ‘Parc du cinquantenaire‘ (“Parque do quinquagésimo”), que fica entre duas estações de metrô, Schuman e Merode. O parque foi construído em 1880 para comemorar o 50° aniversário da independência da Bélgica e chama atenção pelo Arco de Triunfo no meio do verde.

 

Arco de Triunfo no Parc du Cinquantenaire


Se daqui for mais para o Norte de Bruxelas, chega no bairro de Schaerbeek. Esta  região está em volta da uma das três estações de trem principais, com o nome bem criativo de ‘Bruxelas Norte’. Este é um bairro mais pobre, com muitos imigrantes e também um pouco mais perigoso à noite. Este bairro, junto com o bairro Sint-Jans-Molenbeek ficou famoso internacionalmente quando descobriram que os terroristas dos ataques em Paris e Bruxelas moravam nestes bairros.

Mas mesmo  não sendo os bairros mais seguros, tem os lugares bacanas com vários restaurantes e padarias multiculturais e tem alguns parques bem bonitos, o parque Josaphat e o Parque Elisabeth, com uma vista imponente para a basílica de Koekelberg.

 

A basílica de Koekelberg no anoitecer


Falando em parques -um assunto fácil de aparecer neste post porque a Bruxelas tem muitas áreas verdes- temos que dar um pulo para o sudeste de Bruxelas, onde bem na fronteira do distrito tem o ‘Forêt de Soignes’, uma floresta gigante que fica tanto no território de Bruxelas, quanto da Flandres e da Valônia. A parte mais conhecida desta área gigante é o ‘Bois de la Cambre’, que é um parque bem agradável com um lago (com até um restaurante numa ilhazinha no meio do lago) no sudeste da Bruxelas.

 

Só um de muitos lugares bonitos dentro do Forêt de Soignes


Normalmente eu pararia meu post por aqui, mas na verdade conheci um novo lado da cidade onde estou morando agora. Os bairros -ou na verdade tenho que dizer os municípios- de Saint-Gilles, Chatelain e uma parte de Forest são lugares com vários restaurantes e bares onde encontrará mais locais do que turistas. Tem também dois parques bem legais, o ‘Parc de Forest’ e o ‘Parc Duden’, e dá para se perder nas ruas cheias de casas bonitas.

Vista da Parc Duden para Parc de Forest e Bruxelas

 

A prefeitura de Saint-Gilles

 

Um pouco da arquitetura típica de Bruxelas

É difícil parar de escrever sobre a Bruxelas porque é uma cidade com tantos lados diferentes e todo mundo interpreta a cidade diferentemente. Eu pessoalmente resumiria a Bruxelas como uma cidade maravilhosa e um lugar bem fácil e divertido para morar. Tem uma atmosfera  única, bem diferente das outras cidades na Bélgica. A multiculturalidade é representada pela diversão, grande de restaurantes, barzinhos,  eventos e festivais de todos os tipos de música. Tem um transporte público bom, tem ruas de lojas agradáveis (Rue Neuve para lojas de roupas ‘normais’ e Avenue Louise para as lojas mais chiques) e tem muito verde. Tem ruas lotadas de gente no centro ao mesmo tempo que tem ruazinhas tranquilas com casas lindíssimas em outros bairros. Para quem está fazendo um roteiro na Europa de Paris, Londres e Amsterdam: inclua a Bruxelas! Não vai se arrepender!

Sou a Veerle, belga de nacionalidade, mas um pouquinho brasileira de coração, tanto por interesse profissional (sou graduada em Negócios Internacionais) como por lazer. Tento viajar o máximo possível e sempre conhecer novas culturas e novos lugares. Além de viajar, gosto de música, ler e yoga.