Antes, durante e depois

By  |  0 Comments

Papo vai, papo vem, contaram-me o causo da senhora que descobriu uma pinta bem no meio de suas costas. Como a maioria das pessoas, essa senhora ignorou sua presença, enquanto a pinta foi aumentando de tamanho, anos depois, nas palavras de meu interlocutor, havia se formado um “xale de carne viva” sobre sua pele. O Câncer antes tão pequeno, depois se tornara o tolhedor da vida.

Não é a primeira vez que ouço histórias de como a prevenção poderia ter feito a diferença no desfecho de uma história. Seja no âmbito da saúde, nos relacionamentos ou simplesmente como conduzimos a vida, temos uma aptidão de ignorar o antes, acelerar o durante e ficar desejando incessantemente o depois.

Antes de mais nada, o presente de agora é o passado do depois. Por isso, cada ação e/ou omissão vai gerar consequências para a vida a curto, médio e/ou longo prazo. Dar-se conta de que os bastidores do “antes” são os alicerces para o depois é algo fundamental. Cada vez que deixo de ir ao médico, por exemplo, estou ignorando a possibilidade de me prevenir de alguma enfermidade futura. Cada vez que faço-me ausente na vida de alguém, posso no momento futuro já não fazer mais falta.

Ironicamente, aceleramos o durante. Talvez por isso vivamos sempre com a sensação de que o tempo voa. De que o dia passa rápido, que o final de semana foi embora num piscar de olhos e que o ano passado foi ontem. Vivemos o dia de hoje planejando o amanhã. Estamos na segunda-feira pensando na sexta à noite. Há que se centrar urgentemente no presente, no agora, no durante.

Percebo o quanto focamos na ficção de projetar o futuro: O dia que seremos felizes, o dia em que teremos os bens materiais desejados (embora que no antes, nenhuma economia tenha sido feita), o dia em que seremos a melhor versão de nós mesmos. Ficamos almejando o depois e quando este depois não contempla nossas projeções, nos afogamos na angústia da não-realização. Os mais sóbrios, então, caem em si e percebem a falha no antes e acalentam-se na possibilidade de um durante renovador. Os intemperantes culpam o antes, desprezam o durante e praguejam o depois.

Advogo por uma valorização do antes, um comprometimento com o agora e um tranquilo depois em suas consequências.

Bacharel em Teologia pela Faculdades EST, pomerano e capixaba de Santa Maria de Jetibá. Um tanto quanto narcisista, perfeccionista e analítico. Dialoga com teologia, filosofia e psicologia buscando na simplicidade do cotidiano sua inspiração espiritual.